18/10/2011

No linho do rio...



Eis que choro
Rubra e doce
O amor ao leu
Resplandeceu
Na imensidão
Nas asas da paz

No linho do rio
Correm águas
Turvas e claras
Extraindo o melhor
E o pior que há em mim

Eis que choro entre o véu
Da solidão e delicadeza do amor.
(Rosi Alves)
                                                                     

Tão só...



Nessa lua

Nessa rua

Sua boca

Nua desnuda

Minha alma

Tão só na solidão

Meu espelho

No banheiro

Convence-me

Que você partiu

Eu, aqui tão só!

Entre sonhos

Abstrato no sentido

De querer-te

Tão só...

Nas estrelas

Desenho o amor

Que sonhei para nós

(Rosi Alves)

12/10/2011

UM HUMILDE PEDIDO...

Tudo que eu quero é abraçar meu pai...


Dês do ventre da mamãe
Eu sentia a sua falta
Aquele que seria meu herói
Em meu conto de fadas

No dia dez de junho eu cheguei
Com olhos cheios de lágrimas
Por meu papai não ver

Os anos foram passando
Na escola todos tinham seus pais
Nesses momentos meu coração doía mais

Nem por isto padeci
Da infância a adolescência eu curti
Mesmo em meio a risos
O vazio parecia persistir

Abandonei as bonecas
Para me tornar mamãe
E com o filho no ventre
Pensei onde está meu pai?

Meu filho foi crescendo
Os amigos aumentando
E todos me perguntando
Cadê esse tal fulano

Só respondi...
Não sei, nunca vi
Mais no coração senti
À vontade de telo aqui

Só peço ao meu deus
Que não me deixe envelhecer
Sem conhecer meu Pai

Não quero muita coisa
Apenas olhar em seus olhos
Em suas mãos tocar
Um grande abraço lhe dar
Esse é meu único pedido
Apenas abraçar meu Pai
(Rosi Alves)

                                                                    Rio de janeiro 12/10/11
                                                                                 ás 05:28
Com carinho a minha amiga Luciana

06/10/2011

Anjos...

 Anjos...


Dizem que os anjos
Andam pelas nuvens
Entre o arco-íris
São delicados
E protetores

Eu conheço
Um anjo mais bonito
Ele tem um sorriso
Por vezes um olhar carente
É inocente e espera o melhor da gente

Corre, pula corda.
Brinca de boneca
Empina pipas

Esse anjo chama-se CRIANÇA
É o mais lindo entre o céu e a terra
Nele não a traição, engano, hipocrisia.
Somente amor e muita alegria.
(Rosi Alves)

02/10/2011

O amor germina...



O amor germina
No tecer das horas
No vento na alma
De quem ama
De quem chora

Amor intraduzível prece
Que nasce e cresce
Não há quem não eleve

Amor águas correndo
Lírica poesia primavera
Pulsação vida, alma

Amor desce sobre os campos
Sobre as árvores dos brotos
Canteiros em flor palpitações

Amor estrada boa e macia
Mudamente unidos e fortes
Outros egos tão ternos
Tão nosso amor eterno 
(Rosi Alves)

Grito...



Grito...


Liberdade grita contida

Grito de guerra esquecido

Em um mundo fechado

Eu grito...


Mesmo que não seja ouvido

Calado jamais ele fica

Fechado não produz sementes


Mais o grito germina, floresce

E logo a terra não apodrece

Renasce vida flores e frutos


Grito mesmo que ainda mudo 
Até os surdos agoniados pelo eco

A de espalhar meus versos

Em forma de prece intraduzível

Mais calado não fico GRITO 
(Rosi Alves)

Pensar...






Pensar é petrificar

Os sentimentos

E agir com a razão


Quem pensa não ama

Quem ama não pensa


Pensar para que?

Se tudo que quero

É viver esse amor


Pensar depois

Quando tudo

For dor


E mesmo

assim...

Recomeçar 
(Rosi Alves)

Lamparina...



Promessas de amor
Que secretamente
Clareiam a meia-luz
Poesias e lamparina
Clareia a dor em meio
A escuridão.
(Rosi Alves)

Sou nada...



Sou um reflexo do que fui
Sou sombra
Sou luz
Por horas
Sou nada 
(Rosi Alves)

Somente amar...


Eu quero amar, somente amar
Meu mundo não cabe aqui
Meu amor e grande
Maior do que a dor 
Que insiste em me consumir. 
(Rosi Alves)

Chuva de saudade...




Chuva de saudade...



Escrevo sobre a chuva

Que molha a minha face

A saudade invade


Faz doer

Essa agonia de ti querer

E nunca mais te ter



Ter você é o que mais quero

Para a saudade ter fim

Meus olhos secam

E você navega em mim

(Rosi Alves)


Solidão jamais...

Queria ser um pingo de chuva
O vento que desnuda o mundo
Queria ser flor-de-lis
Tocar o solo sentir a terra

Um pedaço de amor
Um pouco de ilusão
Solidão não...

Um poema, uma pintura
Águas que desabam... Cachoeira!
Solidão não... Solidão jamais
(Rosi Alves)



Amor igual ao seu...

Amor igual ao seu
Eu nunca vi
Um amor tão puro
Que brilha em mim
Sua voz suave fala
Diretamente ao coração
Sinto-me flutuar  



Criou jardins
As flores que perfumam
O sol que aquece a alma
As estrelas que enfeitam a noite
As águas que correm e desaguam no mar
Eu não sei dizer como é bom te amar.
(Rosi Alves)


Eu te digo sim...

Quando todos dizem não
Deus segura suas mãos
E diz: eu te digo sim
Basta confiar em mim
Levar-te-ei aos céus
Com minhas palavras
E te darei a paz que tanto necessitas
Farei o sol brilhar em seu coração
E as estrelas a força da consolação
Do amor que só terás juntado se a mim
(Rosi Alves)

Escute amor...

Escute amor: você é um pedaço vazio de mim
Você foi melhor coisa que em mim existiu
Você é a saudade que chega com brisa da tarde
Você e minha história de amor repetida no tempo
(Rosi Alves)