18/10/2011

No linho do rio...




Eis que choro
Rubra e doce
O amor ao léu
Resplandeceu
Na imensidão
Nas asas da paz

No linho do rio
Correm águas
Turvas e claras
Extraindo o melhor
E o pior que há em mim

Eis que choro entre o véu
Da solidão e delicadeza do amor.
(Rosi Alves)





5 comentários:

Severa Cabral(escritora) disse...

Bom dia minha linda!
saudades,não me visita mais,mas estou por aqui...bjsssssssssssss

Rosi Alves... disse...

Minha linda escritora eu vou amada...vc não imagina o quanto eu agradeço esse carinho...é a faculdade mesmo me dedicando ainda tiro nota ruim.Love

Contos e Encantos num Canto do Mundo... disse...

Oi, Rosi! Como vai? Saudades de ti e desse cantinho tão especial! Linda poesia!!! Um ótimo final de semana! Beijos, LÜ...

Marly Bastos disse...

linda a sua poesia amada, quando nos sentimos lavadas por dentro, com certeza extrai-se o mais puro outro entre pedregulhos.
Beijokas doces

Maria Dias disse...

O choro é feito a poesia ele alivia e te deixa mais bonita.

Beijinho

Maria