14/06/2011

Tempo...






Sensações sob o céu

Cósmica ternura

Repousa na janela


A sombra da memória

Desaba chuva de emoções

Ventos trazem vozes

Manto de acalento



Geleira solidão

Dantes fostes

Senhor algoz

Chamado tempo


Silêncio esvaecido

No grito interrompido...


É preciso ter alma

E com calma

Dar tempo ao tempo


(Rosi Alves)

2 comentários:

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Rosi, querida, queria fazer uma postagem com suas poesias: estou coma, assim, quando você puder me mandar outra, seria ótimo - já ilustrei.. o tempo ficou maravilhoso.
Abraços ternos, jorge

Rosi Alves... disse...

Bom dia Poeta,vou postar mais,ai você escolhe.obrigado pelo carinho tenha um dia maravilhoso de muita paz!abraços

Não força!

Tudo que é forçado é chato, é inconveniente. Ou ele (a) te ama ou não, a vida é assim apesar de a gente querer se apegar ao meio termo, no...